NOTÍCIA - prefeitura/politica

03 de outubro de 2017 | MENOR | MAIOR | |

Família Campos visita deputado preso: na desgraça não se pode abandonar, diz Júlio

Família Campos visita deputado preso: na desgraça não se pode abandonar, diz Júlio

O ex-deputado federal Júlio Campos (DEM) acompanhado do irmão e ex-senador Jayme e da prefeita de Várzea Grande Lucimar Campos visitaram o deputado estadual afastado Gilmar Fabris (PSD), preso no Centro de Custódia de Cuiabá (CCC). “Na hora da desgraça não se pode abandonar um companheiro. Isso é tipo de coisa que a gente não faz”, disse o democrata em entrevista à Rádio Capital FM, nesta segunda (2).

A família Campos é próxima do deputado desde 1970 quando Fabris foi assessor parlamentar do deputado federal Júlio Campos, a quem chama até hoje de “grande líder”. Também foi com apoio de Jayme e Júlio que chegou à presidência da Assembleia no período de 95 a 97.

Fabris, inclusive, chegou a almejar uma cadeira no TCE, tentando trilhar o mesmo caminho feito pelo seu "padrinho político" Júlio Campos. Entretanto, após críticas da sociedade e dos próprios servidores do órgão, o deputado recuou da ideia.

Fabris está preso no CCC desde 15 de setembro, quando se entregou à Polícia Federal, em Cuiabá, após ter um mandato de prisão por obstrução à Justiça. Agentes da PF relataram que Fabris saiu do prédio por volta das 5h30 carregando uma pasta de cor preta, no dia da Operação Malebolge.

Júlio afirma que é lamentável a situação de Fabris não somente por ser um “amigo”, mas também por ser um caso que foge de sua competência, como obstrução à Justiça. “O fato de ele ser preso não é por causa da busca e apreensão de documentos em sua casa, porte de arma e dinheiro. Foi (preso) porque me parece que ele deixou mais cedo o seu apartamento para tomar café da manhã com roupa de caminhada, não era pijama. Ele não fugiu, se apresentou espontaneamente”, sustenta.

Visitas

Além da Família Campos, também foram visitá-lo os deputados  Allan Kardec (PT), membro da Comissão de Ética da Assembleia, e Mauro Savi (PSB), além do procurador-geral da Assembleia, Luis Otávio Trovo.

Família Campos visita deputado preso: na desgraça não se pode abandonar, diz Júlio
Fonte: Querência em Foco com Tarso Nunes.

Comentários

Deixe um comentário sobre esta notícia.