NOTÍCIA - prefeitura/politica

04 de outubro de 2017 | MENOR | MAIOR | |

Protestos de servidores adiam votação de PEC do Teto na Assembleia Legislativa

Protestos de servidores adiam votação de PEC do Teto na Assembleia Legislativa

Depois de enfrentar protestos de servidores públicos desde as primeiras horas da tarde desta terça-feira (3), a Assembleia Legislativa de Mato Grosso firmou acordo com o Fórum Sindical e o Sindicato dos Servidores do Detran (Sinetran)  para não votar a PEC do Teto de Gastos nesta semana. 
 
Até o início da sessão ordinária, existia a previsão de condensar as emendas perante a Comissão Especial para que a PEC fosse submetida ao crivo do plenário das deliberações nesta quarta-feira (4), mas os parlamentares aceitaram ampliar o dialogo com os sindicalistas e transferiram a votação para a próxima semana.
 
Perante galerias lotadas, o presidente da Assembleia, deputado Eduardo Botelho (PSB), afirmou que toda manifestação pacífica, respeitosa e com objetivo claro é bem vinda. “O foro adequado de discussão é o Poder Legislativo e, desta forma, jamais nos furtamos do diálogo e de receber as reivindicações dos diferentes segmentos”, ponderou.

Os manifestantes cobravam o afastamento dos parlamentares investigados na delação premiada do ex-governador Silval Barbosa (PMDB) e seus familiares – seu irmão Antônio da Cunha Barbolhsa, sua esposa Roseli da Cunha Barbosa e seu filho Rodrigo Barbosa, além do ex-secretário Sílivo César Corrêa, de Gabinete do Governador.
 
Um dos poucos não citados na delação de Silval, o presidente do Conselho de Ética da Assembleia, deputado Doutor Leonardo Albuquerque (PSD), considerou salutar à democracia a presença de centenas de manifestantes, no Edifício Dante de Oliveira.  
 
“Manifestações são muito importantes, porque o Poder Legislativo reflete a sociedade. E as manifestações democráticas para virem através dos sindicatos, ONGs. Isso é bom para democracia, pois a participação popular sempre se vê com bons olhos, principalmente  um protesto ordeiro, pacífico e sem agressões físicas ou verbais”, ponderou Leonardo Albuquerque.
 
A Assembleia Legislativa deve ouvir os diferentes segmentos, segundo Doutor Leonardo, porque a PEC do Teto de Gastos não é do Poder Executivo, tampouco do Poder Legislativo, mas do Estado, como um todo. “A vamos ouvir todos os segmentos, porque   as lutas precisam ter a contribuição da sociedade;  nós temos que reacender a chama de discussões, com participação popular. E é importante a vinda até à Casa de Leis; a casa do povo. Não pode pesar somente sobre o Poder Executivo ou  servidor do Executivo”, complementou Leonardo.
 
  •  

 

Protestos de servidores adiam votação de PEC do Teto na Assembleia Legislativa
Fonte: Querência em Foco com Ronaldo Pacheco.

Comentários

Deixe um comentário sobre esta notícia.