NOTÍCIA - prefeitura/politica

10 de outubro de 2017 | MENOR | MAIOR | |

Malheiros diz que “situação é insuportável” após demissão de 460.

Presidente do Legislativo cuiabano anunciou a exoneração deservidores por falta de recursos.
Malheiros diz que “situação é insuportável” após demissão de 460.

O presidente da Câmara de Vereadores, Justino Malheiros (PV), afirmou que o funcionamento da Casa está “extremamente prejudicado” em razão da exoneração de 460 servidores anunciada por ele na última segunda-feira (9).

As exonerações ocorreram, segundo Malheiros, porque o prefeito Emanuel Pinheiro (PMDB) ainda não encaminhou ao Legislativo o projeto de suplementação no valor de R$ 5,7 milhões.

O montante seria empregado no pagamento de remuneração de pessoal e encargos sociais e manutenção de serviços administrativos gerais.

“A situação é extremamente insuportável e o funcionamento da casa está extremamente prejudicado. Os gabinetes dos vereadores estão sem funcionários, o plenário quase vazio. Estamos apenas com o secretariado que precisa para funcionamento da Casa e onze servidores comissionados para que nos ajude a tocar pelo menos o plenário”, afirmou o presidente na manhã desta terça-feira (10).

A situação é extremamente insuportável e o funcionamento da casa está extremamente prejudicado
Segundo Malheiros, as audiências públicas a erem realizadas a partir da próxima semana serão suspensas.

O presidente não descartou, inclusive, a suspensão de sessões ordinárias da Casa, já que a maior parte dos funcionários que dão suporte às sessões são comissionados.

“Vamos fazer de tudo [para não suspender]. Vamos pensar um remanejamento, vamos fazer a readequação de todos os funcionários, talvez reduzir a carga horária, fazer de tudo para que sessão continue e Câmara não pare”, disse.

Projeto de lei

O presidente também afirmou que ainda não há uma definição quanto ao encaminhamento pelo prefeito de um projeto de lei determinando a suplementação dos R$ 5,7 milhões à Câmara.

O remanejamento do orçamento havia sido feito por decreto, mas acabou barrado pela Justiça.

“A Prefeitura está tentando reverter isso. O prefeito está trabalhando para que não pareça que esse recurso remanejado de forma obscura. Tudo está sendo feito de forma clara. O prefeito está muito chateado também com essa situação. E ele está indo aos órgãos de controle mostrando que não há nada de ilegal”, disse Malheiros.

“Fizemos o pedido de recomposição e estamos agora aguardando uma decisão da Justiça ou um projeto do Executivo. Vindo esse projeto de lei pra Casa, ele tramitará em todas as comissões, de forma transparente e vamos aprovar para que esses funcionários retornem a Casa”, concluiu o presidente.

Malheiros diz que “situação é insuportável” após demissão de 460.
Fonte: Querência em Foco com CAMILA RIBEIRO

Comentários

Deixe um comentário sobre esta notícia.