NOTÍCIA - Agronegócio

30 de outubro de 2017 | MENOR | MAIOR | |

Chicago abre a semana com o milho em leve alta enquanto mercado aguarda novas informações

Ao redor das 9h55 (Brasília), desta segunda (30), o dezembro seguia com variação em 0,25 e o março 0,5 ponto, respectivamente US$ 3,49 e US$ 3,63
Chicago abre a semana com o milho em leve alta enquanto mercado aguarda novas informações

Os futuros do milho abriram a semana na Bolsa de Chicago (CBOT) testando o campo positivo enquanto o mercado tenta ver algum impacto do clima do final de semana em várias regiões americana.

Ao redor das 9h55 (Brasília), desta segunda (30), o dezembro seguia com variação em 0,25 e o março 0,5 ponto, respectivamente US$ 3,49 e US$ 3,63.

Havia expectativa de frio abaixo do ponto de congelamento neste final de semana em porta parte do Meio-Oeste, por exemplo. E também os investidores aguardam por notícias novas sobre a colheita, que vinha de melhora, a a direção que outros ativos e indicadores econômicos dos EUA tomarão, como o dólar.

Sobre os altos estoques mundiais, que muitos têm dado importância para justificar algumas baixas da semana passada, o Farm Futures, já na sexta (27), apontou que os “os preços (da commodity ficaram presos em notícias de baixa importância sobre os estoques”.

Veja como fechou o mercado na sexta-feira:

Queda do milho nos últimos três pregões de Chicago não reverte os ganhos da semana

Até o fechamento da sessão de hoje (27/10) da Bolsa de Chicago os futuros do milho perderam um pouco da baixa que vinha marcando a tarde e terminou mais próximo da estabilidade.

Dezembro caiu 1,75 ponto, com o bushel em US$ 3,48, o março também menor 2 pontos/US$ 3,62, maio em recuou igual ao anterior, a US$ 3,71, e o julho em baixa de 1,75/US$ 3,78.

Houve reportes tanto em relação ao ganho de produtividade do cereal durante o avanço da colheita dos Estados Unidos, conforme relatos dos agricultores ao Farm Futures, quanto ao fator exportação.

O portal Agriculture lembrou, citando análises da Kluis Commodities, que pode haver dificuldade de aumento de demanda mais a frente e com dúvidas de atingir a meta do USDA, apesar dos bons avanços na semana.

No período de 20 a 27, a commodity fechou positiva em todos os vencimentos, graças aos ganhos do começo da semana, especialmente na segunda (23), quando escalarm mais de 6 pontos. Acompanhe abaixo o gráfico preparado pelo economista André Lopes, do Notícias Agrícolas.

BM&F Bovespa

Os contratos na bolsa de mercadorias de São Paulo ficaram o dia todo no vermelho, sem movimento exportador novo sendo informado, sem apoio do dólar que reverteu a alta de quinta e com os negociantes no físico fora do mercado.

O novembro fechou menor 0,31%, a R$ 31,69 a saca, e o janeiro queda de 0,24%, a R$ 32,89.

Milho disponível

Como na BM&F Bovespa, o cereal no mercado físico não teve impulso no dólar e nas exportações, e demanda interna também foi baixa, deixando a saca nos mesmos preços da quinta, que por sinal mantiveram os valores do dia anterior também.

Na semana de 20 a 27, e acordo com o gráfico abaixo, vemos muita estabilidade na maioria das principais praças.

No Paraná, apenas Castro, teve um ganho de mais de 3,7%, fechando a semana em R$ 28,00. No Mato Grosso vemos Itiquira e Primavera do Leste, com 2,63% e 2,78% de ganho, respectivamente R$ 19,00 e R$ 18,00.

Chicago abre a semana com o milho em leve alta enquanto mercado aguarda novas informações
Fonte: Querência em Foco com Portal Do Agronegócio

Comentários

Deixe um comentário sobre esta notícia.