NOTÍCIA - prefeitura/politica

29 de maro de 2018 | MENOR | MAIOR | |

“Se me pautasse em pesquisas, eu não seria candidato”

“Se me pautasse em pesquisas, eu não seria candidato”

O governador Pedro Taques (PSDB) é o entrevistado desta quinta-feira Santa (29), na Rádio Capital FM. O programa, que é conduzido pelos jornalistas Paulo Coelho, Mauro Camargo e Laice Souza, deverá questionar ao chefe do Executivo sobre política, economia, finanças do Estado e principalmente sobre reeleição, apesar do governador só querer tratar desse assunto depois da canjica.

 

Além de ouvir pela rádio, leia os principais trechos da entrevista aqui no HiperNotícias. Confira. 

 

7h44 - O governador Pedro Taques chegou aos estúdios por volta das 7h40 e foi indagado pelo jornalista Paulo Coelho sobre a gestão do Estado. O jornalista calculou que Taques está no Poder há 1184 dias e pediu um balanço.

 

07h45 - Taques cumprimentou a bancada e desejou ao titular da bancada, Antero Paes de Barros, melhoras. O governador completou que são três anos, três meses e alguns dias. Ele lembrou que a Rede Globo fez um levantamento no qual aponta Taques em 4º lugar dentre os governadores que mais cumpriram promessas “Apesar daqueles que apostam no pior melhor, estamos fazendo entregas”, disse o governador. 

 

07h47 - Por segundo, Taques elencou o Pronto Socorro e Hospital como uma das obras tocadas pelo governador do Estado e lembrou que há mais de 30 anos não se construía uma unidade hospitalar.  A obra é executada com dinheiro do Estado, da bancada federal e do município de Cuiabá. “O prefeito tem cumprido sua obrigação, fez a questão dos procedimentos e nós vamos passar o dinheiro para o munícipio equipar o hospital”, completou. 

 

O jornalista questiona sobre os prazos para comprar os equipamentos do hospital. Taques lembrou que o processo é tocado pela prefeitura de Cuiabá e o papel do Estado é repassar o dinheiro. Ele citou obras como duplicação da rodovia estadual que vai para Chapada dos Guimarães, que será entregue no primeiro semestre deste ano.

 

7h53 – De acordo com Taques a obra só não foi entregue antes porque “houve roubo” na gestão passada. O governo precisou mudar a maioria dos projetos tocados pelo governo anterior. “Veja a Salgadeira, não havia tratamento, nós vamos tratar o esgoto para evitar jogar dejetos no rio”, disse.

 

Alan Cosme/HiperNoticias

 

Ele ainda disse que o governo vai pavimentar o caminho para o distrito do Coxipó do Ouro, além de instalar alguns serviços essenciais para a população. 

 

7h55 – O jornalista questiona sobre os prazos, afirma que o tempo está se esgotando e quantas obras o governador conseguirá entregar até o final do mandato. Dentre as cobranças, está o Centro de Reabilitação Integral Dom Aquino Correa (Cridac). “Eu quero lembrar que o Cridac está sendo feito com dinheiro de corrupção”, comentou.

 

O governador é questionado sobre a morte de uma criança em Peixoto de Azevedo. Taques lamentou, mas lembra que o Estado instalou mais de 500 Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). Ainda de acordo com Taques, ele não vai fazer política em cima dessa criança.  “Só Deus pode confortar o coração dos familiares”.

 

Sobre o hospital, Taques lembrou que o deputado Pedro Satélite (PSD) pediu a “regionalização” da unidade de saúde Peixoto e a unidade está em reforma. “Há 20 dias, não existia hospital regional em Peixoto”, afirmou.  

 

“MT tinha apenas 7 hospitais regionais em 300 anos, nós regionalizamos o de Peixoto, Pontes e Lacerda; aumentamos o repasse para Barra do Garças de R$ 160 mil para R$ 1 milhão. Nada justifica a morte dessa criança, por mais que o Estado se faça presente, na vou fazer proselitismo político”, garantiu. 

 

Questionado sobre o pagamento, Taques lembrou que a constituição estadual permite o pagamento do funcionalismo até o dia 10 e o governo vem trabalhando bastante para quitar os salários em dia. “Nós tentamos recuar um dia por mês. Do aposentado vamos tentar recuar até o dia 5 do mês”, afirmou Taques, dizendo não ter previsão. “Até o dia 10, o salário será pago. No mês passado pagamos até o dia 8”, garantiu. 

 

Rodovias

 

8h10 - O governador é questionado sobre algumas rodovias, dentre a MT- 240, em Diamantino, MT-110, dentre outras que estão sendo recuperadas pelo governo como a MT-333. Ele tambpem foi questionado sobre o asfaltamento da estrada que dá acessão a ponte de ferro, extensão da avenida Dante de Oliveira.

 

“Essa rua, ela vira a MT-030, que deveria chegar em Chapada. Vamos dar a ordem de serviço da estrada de Chapada até Coxipó do Ouro, do Coxipó até Ponte de Ferro não tem projeto. Da ponte de ferro virando a esquerda é a 030, que está sendo elaborado um projeto”, comentou. 

 

Também foi perguntado sobre a denúncia dos deputados estaduais Janaina Riva (MDB) e Zeca Viana (PDT) que denunciaram uma suposta “irregularidade” para construção de pontes. A palavra ponte teria substituída por “transposição”. “Eu não vou comentar esse assunto, porque as pessoas sabem o histórico desses dois deputados”. 

 

Já o jornalista Mauro Camargo, questiona o governador sobre as medidas que o governador está tomando para enxugar os gastos, como fazer a quarta fase da reforma administrativa, além de outras medidas para equilibrar os gastos.

 

8h20 – Governador lembrou que medidas já estão sendo tomadas e lembrou das auditorias realizadas pela CGE, na qual apontaram desvios feitos pela gestão passada. Além disso, auditorias feitas pela CGE possibilitaram ao estado economizar R$ 1 bilhão. Além disso, o Comitê Intergovernamental de Recuperação de Ativos (Cira) recuperou quase R$ 800 milhões.

 

Ele estima ainda que 2018 será um ano melhor. “Estamos saindo da crise, o Brasil todo, os números da indústria pesada estão mostrando isso, MT está saindo junto. Não há mais reclamações de repasses para os municípios, repasses de ICMS, IPVA, Fethab nunca atrasou um dia, nós repassamos aos municípios 670 milhões de reais”, disse.  

 

O governador ainda rebateu que não houve atrasos de pagamentos em sua gestão apenas no mês de novembro, quando atrasou o pagamento por 3 dias para 13% dos servidores. Ainda de acordo com Taques, o mês de dezembro foi pago “rigorosamente em dia”.

 

O jornalista questiona sobre a empresa EIG Comércio, acusada de participar de desvios de recursos do Detran. O caso é investigado pelo Gaeco. A empresa é acusada de repassar propina a políticos empresários.

 

8h25 – Taques lembrou que o Estado reduziu o valor pago a empresa, além de ter ingressado com ações contra ela no Ministério Público em 2013. A ação foi perdida. “O MP tomou providencias lá atrás, existe uma ação, não foi rompida por que não tinha delação”, afirmou. O contrato prevê multa de R$ 100 milhões. 

 

Ele lembra que algo semelhante ocorreu com a Operação Descarrilho, da Policia Federal. O governo realizava negociações para retomada das obras, mas veio a delação e a operação e comprovou inúmeras irregularidades cometidas pelo consórcio e também pelo ex-governador Silval Barbosa. Diante da operação, o governo recuou de negociar.

 

“Até as pedras do Rio Cuiabá sabiam que tinha coisa errada no VLT”, disse. 

 

A jornalista Laice Souza, questiona ao governador quando ele vai comer da canjica, para depois de falar de eleição e quais os partidos estão ao lado de Taques.

 

8h30 – Taques disse que as convenções podem ser realizadas até agosto, tendo 120 dias até lá. “Eu quero trabalhar muito esses dias para cumprir os compromissos. Campanha eleitoral só depois das convenções”, disse.

 

O governador disse que “ando devagar porque já tive pressa” sobre as articulações. O jornalista Mauro Camargo lembra que Taques precisa se articular antes das convenções para ter um norte quando começarem as convenções.

 

Questionado sobre as pesquisas, na qual apontam a rejeição do governador em 50%, Taques disse respeitar as pesquisas, mas não traça sua vida através de pesquisas. “Se eu traçar minha vida através de pesquisa, não seria senador”, afirmou o governador.  

 

 

"Respeito pesquisas, agora não traço minha vida por pesquisas eleitorais, se eu traçasse minha vida por pesquisa eleitoral eu não seria candidato ao Senado, pois eu tinha 2%, se eu traçar minha vida por pesquisas eleitorais, neste momento, eu não seria candidato ao Governo de Mato Grosso. Pesquisa tem que ser considerada de acordo com o seu momento", afirmou.

 

Por fim, a jornalista Laice Souza questiona o governador sobre a nomeação dos aprovados no concurso para agentes penitenciários. Taques lembra que manteve os ganhos salariais dos servidores, aprovados na gestão do ex-governador Silval Barbosa. “Agora dizem que eu errei, porque mantive o aumento, se isso for errar, eu quero errar novamente”, disse.

 

Ele ainda lembrou que começou a dar posse aos aprovados do concurso da educação. O governador elencou inúmeras escolas “Tiradentes” inauguradas em Mato Grosso, do combate ao crime organizado, além da inauguração de um estabelecimento penal em Várzea Grande e em Peixoto de Azevedo. Com isso, ele prometeu aos aprovados a nomeação em breve.

 

“Eu chamei para conversar, nós estamos estabelecendo o cronograma para nomear os aprovados. O sistema penitenciário é muito importante”, finalizou Pedro Taques. 

 

8h45 - A entrevista com o chefe de Estado foi encerrada. 

 

“Se me pautasse em pesquisas, eu não seria candidato”
Fonte: Querência em Foco com FELIPE LEONEL.

Comentários

Deixe um comentário sobre esta notícia.