NOTÍCIA - prefeitura/politica

11 de junho de 2018 | MENOR | MAIOR | |

Países reagem a declarações de Trump contra comunicado final de Cúpula do G7

Após abandonar o encontro antes do fim, presidente americano atacou premiê canadense, Justin Trudeau, que conduziu a cúpula em Quebec.
Países reagem a declarações de Trump contra comunicado final de Cúpula do G7

A decisão do presidente americano, Donald Trump, de retirar o apoio americano ao comunicado final da cúpula do G7 por meio uma mensagem no Twitter, provocou reações da França e da Alemanha neste domingo (10), e minou o que já parecia ser um frágil consenso sobre a disputa comercial entre os Estados Unidos e seus principais aliados.

 

"Em questão de segundos, você consegue destruir o sentimento de confiança com apenas 280 caracteres de Twitter", disse o Ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, acrescentando que a resposta da Europa deve ser de união ainda maior.

Já o governo francês afirmou que "a cooperação internacional não pode depender de ataques de raiva e palavras mesquinhas: sejamos sérios e dignos de nossos povos", segundo a Rádio França Internacional (RFI).

 

Para entender a reviravolta na cúpula do G7

  • Canadá, Japão, França, Alemanha, Reino Unido, Itália, EUA participaram de reunião em Quebec (Canadá), entre sexta (8) e sábado (9);
  • Trump saiu antes da divulgação do documento conjunto final;
  • Premiê canadense, Justin Trudeau, que presidia reunião, anunciou que os países concordaram em fazer esforços para reduzir barreiras tarifárias e não tarifárias no comércio mundial;
  • Líder canadense fez fortes críticas às tarifas sobre o aço e alumínio aplicadas pelos EUA e chamou as sobretaxas de um "insulto";
  • Trump discordou do tom das declarações de Trudeau para jornalistas, chamou o premiê de "desonesto e fraco" e orientou seu representante na cúpula a não assinar;
  • França e Alemanha criticaram atitude do presidente americano.

     

    Trump chamou Trudeau de fraco e desonesto

    Trump deixou o encontro de líderes do G7 (formado por Canadá, Japão, França, Alemanha, Reino Unido, Itália, EUA) antes de discutir a mudança climática e a saúde dos oceanos, exacerbando as fraturas do grupo. Durante o encontro, o americano ameaçou deixar de fazer comércio com aqueles países que mantenham tarifas às exportações americanas, exigindo que o bloco europeu e o Canadá eliminem barreiras contra a entrada de produtos dos EUA.

     

    O comunicado final, já sem a presença de Trump na cúpula, citou esforços em reduzir barreiras tarifárias e não tarifárias no comércio mundial, além de diminuir subsídios. O consenso foi anunciado pelo primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, que presidiu dois dias de discussões.

    Em uma tentativa de apaziguar os ânimos, a carta também se comprometeu a "modernizar" a Organização Mundial do Comércio (OMC) para torná-la "mais justa o mais rápido possível".

    "Baseado nas falsas declarações de Justin em sua conferência de imprensa e em que o Canadá cobra tarifas enormes a nossos fazendeiros, trabalhadores e companhias, ordenei a nossos representantes não apoiarem o comunicado", tuitou Trump do avião que o leva a Singapura.

    O anúncio de retirada de apoio ao documento final aconteceu após Trudeau fazer fortes críticas às sobretaxas sobre o aço e alumínio aplicada pelos EUA recentemente. Segundo o primeiro-ministro do Canadá, trata-se de um "insulto" que provocará retaliação a partir do próximo mês.

     

    "É com pesar, mas com absoluta clareza e firmeza, que avançaremos com medidas retaliatórias em 1º de julho, aplicando tarifas equivalentes àquelas que os americanos aplicaram injustamente a nós", afirmou o anfitrião da conferência, a jornalistas.

     

    Na sequência, Trump reiterou a ameaça de impor tarifas "aos carros que inundam o mercado americano", uma decisão que aponta inicialmente para a Alemanha, outro membro proeminente do G7.

    Reagindo aos comentários de Trump, o gabinete de Trudeau disse que o primeiro ministro "não disse nada que não havia dito antes - tanto em conversas públicas quanto privadas com o presidente".

     

    Clima tenso na cúpula

    Em entrevista coletiva, antes de deixar a cúpula, Trump ainda tentou manter um “tom conciliador”, chegando a propor uma zona de livre comércio entre os países do G7 e da União Europeia em uma tentativa de responder às acusações de que seria protecionista por impor sobretaxas ao aço e ao alumínio.

     

    O clima tenso da cúpula do G7 deste ano, entretanto, foi ilustrado em uma série de fotos. Uma delas mostra o presidente sentado, com os braços cruzados, olhando com um leve sorriso em direção à chanceler federal alemã, Angela Merkel, e ao presidente francês, Emmanuel Macron, que estavam atrás de uma pesa e pareciam tentar convencê-lo, como destacou a Deutsche Welle.

     

    Trump irritou seus parceiros do G7 com sua agenda "América Primeiro" e prometeu se manter firme até que os produtos norte-americanos tivessem acesso "justo" aos mercados.

    O líder americano vem causando constrangimento aos parceiros antigos não só no comércio. Trump retirou os EUA de acordos internacionais, como o pacto nuclear com o Irã – fechado em 2015 com China, Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha – e o Acordo de Paris sobre mudança climática – assinado por quase 200 países.

     

    França

    Em nota, o governo francês afirmou que "a cooperação internacional não pode depender de ataques de raiva e palavras mesquinhas: sejamos sérios e dignos de nossos povos", segundo a Rádio França Internacional (RFI).

     

    A nota do palácio do Eliseu denuncia a "incoerência" e a "inconsistência" de Trump. "Nós passamos dois dias negociando para concluir um texto e compromissos. Vamos permanecer ligados a ele, e qualquer um que der as costas [ao comunicado conjunto] mostra sua incoerência e inconsistência", afirma o Palácio do Eliseu em seu comunicado.

     

    "A França e a Europa continuam a apoiar este comunicado, como esperamos de todos os membros signatários", concluiu a presidência.

    Especialistas franceses veem na atitude imprevisível de Trump um jeito dele reforçar seu cacife e exibir força para a cúpula de Singapura com o líder norte-coreano, Kim Jong Un, além de rebaixar os aliados.

     

    Alemanha

    O ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, acusou Trump neste domingo de "destruir a confiança" ao retirar o apoio americano ao comunicado.

     

    "Em questão de segundos, você consegue destruir o sentimento de confiança com apenas 280 caracteres de Twitter.

     

    Agora é ainda mais importante que a Europa se mantenha unida e que defenda com mais clareza seus interesses", afirmou.

     

    "Na verdade, isso não é uma surpresa, pois já havíamos visto esse mesmo comportamento na ocasião do acordo do clima ou do Irã", disse Maas, quando questionado sobre a decisão de Trump de revogar apoio ao comunicado final do G7 após o encontro realizado entre as superpotências no Canadá.

     

    China

    O presidente da China, Xi Jinping, que enfrenta uma disputa comercial acirrada com os Estados Unidos, também se manifestou neste domingo (10), dizendo que a China rejeita "políticas comerciais egoístas e míopes"e pediu pela construção de uma economia global aberta. Porém, não fez referência direta ao encontro do G7.

     

Países reagem a declarações de Trump contra comunicado final de Cúpula do G7
Fonte: Querência Em Foco com G1 .

Comentários

Deixe um comentário sobre esta notícia.