NOTÍCIA - Agronegócio

28 de julho de 2018 | MENOR | MAIOR | |

Índice de confiança do agronegócio cai para 98,5 pontos

O Índice de Confiança do Agronegócio (IC Agro), medido pelo Departamento do Agronegócio (Deagro) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e pela Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), marcou 98,5 pontos no 2º trimestre deste ano. O resultado representa queda de 8,6 pontos em relação ao 1º trimestre, quando alcançou o valor mais elevado (107,1) desde que o indicador começou a ser medido, no fim de 2013. O resultado ligeiramente abaixo dos 100 pontos indica pessimismo moderado de acordo com a metodologia do estudo. A pesquisa foi feita com 645 produtores e industriais do agronegócio.

O Deagro da Fiesp ressalta em comunicado que as entrevistas para o levantamento do índice ocorreram durante e logo após a greve dos caminhoneiros, que praticamente paralisou o país por cerca de 10 dias do fim de maio ao início de junho. "O movimento colocou em evidência a perda de fôlego da recuperação econômica e as dúvidas quanto aos projetos que emergirão das urnas nas próximas eleições. De fato, a principal contribuição para a perda de confiança se deve à piora significativa na percepção quanto a situação do país, que caiu bruscamente em todos os elos pesquisados da cadeia", informa no comunicado o diretor do Deagro da Fiesp, Roberto Ignácio Betancourt. Isoladamente, esse indicador recuou 41,7 pontos de um trimestre para o outro, uma queda inédita.

O recuo do indicador foi percebido em todos os segmentos pesquisados. Para o produtor agropecuário, houve recuo de 6 pontos em relação ao trimestre anterior, para 98,5 pontos. Entretanto, Márcio Lopes de Freitas, presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), lembra que há uma distinção entre os agricultores, que ainda permanecem relativamente otimistas, e os pecuaristas, cujo indicador é o mais pessimista entre os segmentos analisados no estudo. Nessa trajetória de queda, para o produtor agrícola a retração foi de 4,3 pontos ao alcançar 102,9 pontos. Contudo, ainda se mantém na faixa considerada otimista pelos critérios do estudo. "Ainda assim, é importante destacar a interrupção de uma trajetória de três altas consecutivas, iniciada no 3º trimestre do ano passado. A percepção a respeito da economia brasileira pesou sensivelmente para a queda" aponta Freitas.

Outro aspecto negativo são os custos, cujo indicador de confiança é o mais baixo desde o primeiro trimestre de 2016, pressionado principalmente pelas expectativas, que alcançou 49 pontos. "Muitos agricultores já anteveem que terão de pagar mais pelos insumos, diante do esperado aumento nos fretes e repasse da alta do dólar observado nos últimos meses. O fato de os produtores agrícolas sustentarem uma certa confiança pode ser explicado principalmente pelo momento no mercado de grãos, cujos preços permanecem num bom patamar, apesar de uma relativa desvalorização no fim do segundo trimestre. Para ficar em dois exemplos: de junho de 2017 a junho deste ano, a soja valorizou quase 24% e o milho, mais de 50%", disse.

Já a confiança dos pecuaristas recuou 11 pontos no trimestre, atingindo 85,3 pontos. Os pecuaristas de corte são os mais desanimados. Segundo Freitas "os preços do boi gordo estão em queda desde janeiro. Os criadores de gado leiteiro, por sua vez, impediram uma perda de confiança ainda maior, tendo em vista a recuperação dos preços do leite nos últimos meses". Outra variável que pesou para a percepção pessimista do produtor pecuário foi o custo de produção (48,9 pontos), que recuou para níveis similares ao observado em meados de 2015 e início de 2016.

Antes e depois da porteira

A indústria antes da porteira (insumos agropecuários) atingiu 99,2 pontos, queda de 16,9 pontos ante o trimestre imediatamente anterior. Essa é a maior queda trimestral desde que o indicador começou a ser medido, e o primeiro resultado abaixo de 100 pontos desde o 2º trimestre do ano passado. "O resultado reflete a turbulência gerada pela greve dos caminhoneiros. No caso dos fertilizantes, por exemplo, além da deterioração na avaliação sobre as condições gerais da economia, o setor foi fortemente impactado pela paralisação - e posterior indefinição sobre o tabelamento dos fretes mínimos. O mês de maio fechou com entregas de apenas 1,8 milhão de toneladas, cerca de 700 mil t abaixo do volume que seria considerado normal para o mês", relatou o diretor Roberto Ignácio Betancourt.

Para a indústria depois da porteira (como as de alimentos e tradings), houve retração de 7,9 pontos, para 98,2 pontos, ante o último levantamento. Os ânimos dessas empresas pioraram tanto a respeito das condições atuais quanto em relação às expectativas para o futuro, embora nesse último caso ainda haja um otimismo moderado. A pesquisa mostra que essas empresas demonstram um pouco mais de confiança nas condições do próprio negócio do que nas condições gerais da economia brasileira, que foi o fator preponderante para a queda do indicador.

Índice de confiança do agronegócio cai para 98,5 pontos
Fonte: Querencia em Foco com ESTADÃO CONTEÚDO.

Comentários

Deixe um comentário sobre esta notícia.