NOTÍCIA - prefeitura/politica

01 de agosto de 2018 | MENOR | MAIOR | |

Por unanimidade, TRE cassa mandato de Medeiros no Senado

E por 5 votos a 2, magistrados entenderam que segundo suplente Paulo Fiúza deve assumir
Por unanimidade, TRE cassa mandato de Medeiros no Senado

Por unanimidade - 7 voto a 0 -, o Tribunal Regional Eleitoral cassou, na noite desta terça-feira (31), o mandato do senador José Medeiros (Podemos).

 

 

Medeiros, que era primeiro suplente, está no cargo desde janeiro de 2015, quando o então senador Pedro Taques renunciou ao mandato para assumir o Governo de Mato Grosso.

 

Na mesma sessão, por 5 votos a 2, os juízes entenderam que Paulo Fiúza, segundo suplente, deverá assumir o posto. 

 

O julgamento é resultado de uma ação que contestava a diplomação em razão de uma suposta fraude na ata  que da convenção que definiu os candidatos da chapa ao Senado em 2010. A chapa tinha Taques como postulante, e Medeiros e Fiúza como primeiro e segundo suplentes, respectivamente. 

 

No início da sessão, o juiz relator Ulisses Rabaneda votou pela cassação de toda a chapa, inclusive de Pedro Taques. Assim, segundo Rabaneda,  deveria assumir o então candidato petista Carlos Abicalil.

 

Já a juíza revisora Vanessa Gasques viu motivos para cassar o registro de Medeiros, mas entendeu não haver razão para condenar Taques e Fiúza.

 

Acompanharam seu entendimento os juízes Jackson Coutinho e José Antônio Peleja, além dos desembargadores Pedro Sakamoto e Márcio Vidal, presidente do TRE.

 

Já o juiz Mário Kono acompanhou o voto do relator do caso.

 

A decisão deverá ter efeito imediato,  segundo o TRE, em razão do risco de haver perda do objeto, já que o mandato de Medeiros termina em janeiro de 2019.

 

Com a decisão, Medeiros ainda corre o risco de se  tornar inelegível. Segundo apurou a reportagem, será anotado um código na ficha de eleitor dele.  Essa anotação poderá levar ao indeferimento de uma eventual candidatura.

 

O caso  

 

A ação trata do caso que investiga a suposta fraude na ata de registro de candidatura de Pedro Taques ao Senado, e de seus suplentes nas eleições de 2010.

Inicialmente, a ata era composta por Taques como o líder da chapa e o deputado estadual, Zeca Viana, como primeiro suplente e o empresário Paulo Fiúza como segundo.

Entretanto, em agosto de 2010, Viana desistiu do Senado e foi concorrer uma vaga na Assembleia Legislativa. Desta forma, Fiúza teria que ter passado para a primeira suplência e o então policial rodoviário José Medeiros ficaria na segunda.

Contudo, Medeiros acabou na primeira suplência e Fiúza ocupou a segunda. A suspeita é de que houve assinaturas falsas na ata modificada.

Como Taques venceu a eleição para governador do Estado, José Medeiros ficou no seu lugar no Senado.

A investigação no TRE-MT foi extinta em novembro de 2014, mas em decisão dada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) fez com que o processo fosse reaberto em 2016.

Por unanimidade, TRE cassa mandato de Medeiros no Senado
Fonte: Querencia em Foco com Redação Mídia News.

Comentários

Deixe um comentário sobre esta notícia.