NOTÍCIA - prefeitura/politica

12 de setembro de 2018 | MENOR | MAIOR | |

Marina diz que Haddad é 'semelhante' a Dilma e que votar em 'indicado' pode levar Brasil ao 'poço sem fundo'

Marina diz que Haddad é 'semelhante' a Dilma e que votar em 'indicado' pode levar Brasil ao 'poço sem fundo'

Após cair nas pesquisas, a candidata da Rede à Presidência, Marina Silva, elevou nesta quarta-feira (12) o tom contra o novo presidenciável do PT, Fernando Haddad. Em entrevista à rádio Super, de Minas Gerais, Marina afirmou que Haddad é "muito semelhante" à ex-presidente Dilma Rousseff e afirmou que votar em "indicado" pode levar o Brasil novamente a um "poço sem fundo".

Ex-ministra do governo Luiz Inácio Lula da Silva, a candidata da Rede se referiu ao fato de Fernando Haddad ter sido apadrinhado pelo ex-presidente da República para a eleição presidencial.

Haddad assumiu oficialmente nesta terça (11) a cabeça de chapa do PT na corrida pelo Palácio do Planalto após Lula ter sido barrado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com base na Lei da Ficha Limpa.

"[Haddad] é muito semelhante [a Dilma]. [...] As coisas ruins foram aprofundadas no governo Dilma-Temer. As coisas boas foram sendo desaceleradas, e a população brasileira não pode deixar de pedir uma prestação de contas do que levou o Brasil para o fundo do poço", disse Marina à rádio.

"Se continuar fazendo o voto em cima apenas de quem é indicado, podemos ir para um poço sem fundo", complementou.

Na pesquisa Ibope divulgada nesta terça, Marina Silva caiu três pontos, passando de 10% para 7%. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais.

O Datafolha também detectou na segunda-feira (10) a queda da presidenciável da Rede. No levantamento do Datafolha, Marina caiu ainda mais do que no Ibope, passando de 16% para 11%. A margem de erro da pesquisa do Datafolha é de dois pontos percentuais (com a margem de erro, ela tem de 9% a 13%).

 

'Operação Lava Voto'

 

Marina Silva também repetiu na entrevista à rádio mineira um dos motes de sua campanha deste ano, que é chamar os eleitores para realizarem uma "Operação Lava Voto", em uma referência à Lava Jato.

Para a candidata da Rede, quem quer reduzir a corrupção no país não pode continuar votando nos partidos que governaram o Brasil nas últimas décadas.

"Se as pessoas, de fato, querem combater a corrupção, faça a Operação Lava Voto. PT, PSDB, PMDB fizeram coisas boas no passado, mas se perderam no projeto do poder pelo poder", enfatizou.

"É incrível como agora estão entregando um país pior do que encontraram", acrescentou Marina.

Marina diz que Haddad é 'semelhante' a Dilma e que votar em 'indicado' pode levar Brasil ao 'poço sem fundo'
Fonte: Querência Em Foco com G1, Brasília.

Comentários

Deixe um comentário sobre esta notícia.