NOTÍCIA - Agronegócio

07 de dezembro de 2018 | MENOR | MAIOR | |

Produção mundial de grãos atingirá menor nível em três anos

Segundo o IGC, as últimas perspectivas de oferta e demanda e a evolução do mercado de grãos, arroz e oleaginosas fecharam em baixa
Produção mundial de grãos atingirá menor nível em três anos

O Conselho Internacional de Grãos (IGC) indicou que produção mundial de grãos deve atingir o menor nível em três anos, aquém da demanda e da quantidade necessária para manter o comércio global forte. A informação foi divulgada após a 48ª sessão do Conselho em 4 de dezembro em Paris, na França.

De acordo com os membros do IGC, as últimas perspectivas de oferta e demanda e a evolução do mercado de grãos, arroz e oleaginosas, bem como mudanças recentes nas políticas nacionais e questões administrativas indicaram que, em três anos, a produção total mundial de grãos deve cair 24 milhões de toneladas em relação ao ano anterior.

Como a produção de grãos seria novamente superada pela demanda, o IGC prevê uma segunda temporada consecutiva de esgotamento mundial de estoques. Sendo assim, eles esperam que o comércio global permaneça forte, incluindo os embarques recordes de milho e cevada.

A primeira projeção do IGC para a área de colheita de trigo em 2019/2020 foi de um aumento de cerca de 1%, o primeiro aumento dentro do período de um ano. Embora se previssem ganhos na União Europeia, na Rússia, nos Estados Unidos e na Índia, o clima adverso no início da temporada acabou causando alguma preocupação.

A produção global de arroz em 2018/2019 foi projetada de forma estável ano-a-ano, em 491 milhões de toneladas, uma vez que uma provável queda na política chinesa seria compensada por aumentos em outros lugares da Ásia. Com o consumo visto subindo para uma nova alta, espera-se que os estoques se tornem mais apertados, inclusive na China. O comércio foi antecipado em um recorde, incluindo entregas maiores para a África.

Produção mundial de grãos atingirá menor nível em três anos
Fonte: Querência em Foco com Portal Do Agronegócio.

Comentários

Deixe um comentário sobre esta notícia.